Encontrar o preconceito escondido nas palavras

O tipo de linguagem que escolhemos usar reflete a nossa predisposição implícita. Mas, segundo um novo estudo, o mindfulness pode ter uma palavra a dizer.
Por Jenn Director Knudsen | Calef Brown (ilustração)
in Greater Good | 5 de outubro de 2016  ver artigo original
A linguagem pode ser reveladora das nossas crenças e preconceitos escondidos: os homens são melhores do que as mulheres nas ciências; as loiras são menos inteligentes do que as morenas;  os negros são mais violentos do que os brancos…
A ciência, entretanto, vem dando indicações que o mindfulness pode ajudar a contrariar a predisposição implícita. Um estudo recente, publicado na revista científica Mindfulness, sugere mesmo que a prática da atenção plena pode ser eficaz mesmo em relação à predisposição implícita escondida na nossa linguagem.
A ciência chama a isto de preconceito linguístico intergrupos (LIB, sigla em inglês). Significa que as pessoas caracterizam, de acordo com as suas expectativas, o comportamento dos indivíduos pertencentes ao “grupo interno” (o grupo dos “meus”) como positivo e o do “grupo externo” (o grupo dos “outros”) como negativo; consequentemente, vêm o comportamentos dos “outros”como reflexo de carácter e esse julgamento aparece refletido na sua escolha de palavras.
Para medir o LIB, os investigadores pediram a 84 estudantes da Universidade Emory que atribuíssem descrições a desenhos de adultos em diferentes situações. Por exemplo: uma imagem de uma pessoa a agredir outra e duas descrições possíveis: “uma pessoa a bater noutra”; ou “alguém a ser agressivo”. A primeira é factual e precisa; a segunda infere um carácter.
A haver preconceito, a tendência é fazer uma descrição factual quando a ilustração representa alguém do intragrupo (“dos nossos”) e uma com julgamento quando representa “os outros”. E foi exatamente isso que a equipa de investigação encontrou quando foi pedido aos participantes que imaginassem os personagens como amigos ou inimigos, entrando o grupo numa construção de pensamentos e emoções em relação à imagens.
Mas seria o mindfulness capaz de alterar esta dinâmica? A um outro grupo integrado no mesmo estudo foi pedido um olhar mindful às ilustrações, isto é, que observassem os seus pensamentos enquanto construções mentais passageiras e não como fazendo parte do que estava retratado no desenho. Neste grupo, a tendência para dar respostas preconceituosas diminuiu.
Frequentemente, os estereótipos – seja sobre aparência individual, comportamento, valor (ou ausência dele) académico – estão profundamente enraizados, fruto de anos de pensamento preconceituoso. O mindfulness parece ser um poderoso antídoto ao preconceito linguístico no curto e (esperam os investigadores), com mais prática, no longo prazo.
“Independentemente das nossas intenções, a linguagem que utilizamos pode, de forma implícita ou explícita, transmitir predisposição na forma de estereótipos e de preconceitos”, escrevem Lauren Ann Lebois (Faculdade de Medicina de Harvard), Moses Tincher (Emory) e Lawrence Barsalou (Universidade de Glasgow). Mas “as evidências recolhidas sugerem que o mindfulness reduz estereótipos e preconceitos a nível cognitivo”.
Interagir com pessoas diferentes de nós (membros do grupo exterior) pode causar stress, sendo que é aqui que o mindfulness tem um papel a desempenhar. Para além de agir junto à predisposição implícita, suspendendo o nosso pensamento-padrão inicial, pode também alterar a nossa resposta física. Relegar os pensamentos preconceituosos para a categoria de “meros pensamentos” em trânsito pode reduzir a sua influência. Tal como a máquina de escrever é uma coisa do passado, o mesmo pode acontecer com as palavras preconceituosos ditas da boca para fora.
Tradução para português por Mindmatters

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s