O que é que a neurociência pode aprender com a meditação budista?

O mindfulness despontou recentemente com grande popularidade, porém esta sua aplicação moderna tem raízes no budismo ancestral. Lynne Malcolm e Olivia Willis procuram descobrir o que é que praticantes experientes de meditação e neurocientistas podem aprender entre si.
Por Lynne Malcolm e Olivia Willis
in ABC-RN (Australian Broadcasting Corporation) | 29 de abril de 2016  Ver artigo no original
O que não falta atualmente são notícias a destacar os benefícios do mindfulness e da meditação. Trata-se de algo cada vez mais popular na terapia clínica e na gestão do stress do dia a dia. Mas o que tem o ciência a dizer sobre esta milenar prática espiritual? E, também, o que podem as antigas tradições budistas ensinar aos cientistas sobre o cérebro?
No sentido de encontrar respostas, um grupo de praticantes de meditação, psicólogos e neurocientistas reuniram-se na rural New South Wales, Austrália, durante um fim-de-semana num retiro zen.
“O objetivo era reunir praticantes de longa data de meditação e investigadores de determinadas partes da cognição (…) e aprender com a perspectiva de cada um. Isto é, não só com a perspectiva científica mas também com a perspectiva da meditação”, refere a Dra. Biedermann.
Britta Biedermann, uma cientista na área cognitiva e ela própria meditadora experiente, iniciou este projeto como parte da sua investigação na ARC Centre of Excellence in Cognition and its Disorders, na Macquarie University, em Sidney. Segundo ela, neurocientistas e psicólogos foram encorajados a usar a introspeção de meditadores experientes para perceber qual o seu entendimento do processo cognitivo.
O professor Peter Sedlmeier, neurocientista da Universidade de Chemnitz, na Alemanha, foi igualmente convidado a estar presente no encontro. Há cerca de dez anos, Sedlmeier levou a cabo uma metanálise sobre todos os trabalhos científicos de investigação realizados até então sobre meditação.
“Um dos desafios que se colocam à pesquisa sobre meditação é a pluralidade de estilos existentes. Há técnicas onde temos simplesmente de observar a respiração, o corpo e a mente, tal como é feito na tradição budista. No ioga há o pranayama, onde intervimos ativamente sobre a respiração e o corpo. Na meditação chakra o foco da atenção faz-se sobre os centros de energia do corpo. Já a meditação mantra envolve o repetir de uma determinada palavra ou mantra na mente, usado para auxiliar a concentração”, explica Sedlmeier.
Técnicas para atingir a iluminação adaptadas ao tratamento
Peter Sedlmeier afirma que, embora todas as técnicas sejam eficazes, a pesquisa disponível atualmente não é suficiente para fazer uma distinção clara sobre os diferentes efeitos de cada uma. Já quando se trata de analisar a eficácia, no seu conjunto, o professor alemão afirma que os benefícios da meditação são mais sentidos pelas “pessoas saudáveis” do que por pacientes em processo de tratamento. “Penso que uma das razões para isso acontecer é porque é mais difícil aprender meditação quando se está doente, com ansiedade, com medo ou com dor”, explica.
A investigação mostrou que a emoção humana é a área da cognição mais sensível aos efeitos da meditação, pelo que não constitui surpresa que esta ancestral técnica budista seja uma prática corrente entre muitos psicólogos. No entanto, Sedlmeier chama a atenção de que ela nunca deve constituir uma substituição à terapia, no sentido mais lato.
“A meditação não foi destinada originalmente como um tratamento mas como uma forma de ampliar a nossa consciência. A meditação na Índia trata de questões como a libertação, a iluminação e o desenvolvimento espiritual, não é sobre tratamento. Na minha opinião, cada um deve procurar aquilo que o ajuda e o que não ajuda… está tudo em aberto ao escrutínio empírico”, afirma Sedlmeier.
A psicóloga Emily White, também presente no encontro, afirma que a meditação e o mindfulness são parte central da sua prática clínica. Ela pratica um tipo de tratamento chamado de terapia dialética do comportamento, aplicado a pacientes com dificuldades em controlar as emoções.
“A técnica principal subjacente é o mindfulness, ao ensinar as pessoas a regressarem ao momento presente de várias maneiras”, diz Emily White.
Segundo ela, esta terapia foi inicialmente desenvolvida para pessoas com tendências suicidas ou autodestrutivas; porém, as evidências demonstraram ser igualmente eficaz no tratamento da toxicodependência e do alcoolismo, assim como na terapia de distúrbios alimentares.
“Existe muita pesquisa que demonstra a sua validade em relação aos grupos em que é suposto atuar. E, pessoalmente, sem dúvida nenhuma que vejo melhoras. Quando os pacientes começam a usar as técnicas que lhes ensinamos, conseguimos perceber as suas vidas a estabilizar progressivamente e a apontar na direção que eles desejam ”, afirma Emily White.
Exames mostram cérebros de meditadores “mais jovens”
Um número crescente de estudos científicos sobre meditação apoia-se tecnicamente na ressonância magnética, como o fMRI, para determinar a ocorrência de efeitos cognitivos resultantes da prática da meditação e quais as manifestações presentes. “Por vezes são detetadas, outras não”, diz Sedlmeier.
“Há uma área enorme de subjetividade aberta a interpretações pessoais ou a novas leituras. Mas existe algum grau de convergência em relação a algumas partes do cérebro, como a ínsula, que parecem muito envolvidas quando analisamos os resultados da meditação.
“Um colega meu (…) reanalisou alguns cérebros usando um tipo de aparelho com capacidade de aprendizagem; através dessa técnica, o algoritmo lê a idade do cérebro (…); descobriram que o cérebro dos praticantes de meditação era mais jovem em comparação com o das outras pessoas; e existem ainda alguns outros indicadores no sentido de que o cérebro dos praticantes de meditação envelhece mais devagar”, afirma Sedlmeier.
Muitos dos que participaram neste retiro de fim de semana seguem a tradição do budismo zen. O professor zen, Subhana Barzaghi, diz que a forma como a meditação está a ser adotada atualmente não reflete necessariamente o seu propósito inicial.
“Meditamos para quê? Não é apenas por uma questão de saúde e bem-estar, de relaxamento, para a nossa salvação, mas antes é algo que está intimamente ligado com a libertação de todos os seres. É muito importante que a meditação não seja tida apenas como um tipo de busca individualista.
“Na minha opinião, a meditação tem que ser vista num contexto ético mais amplo, contexto sobre o qual até mesmo os seguidores zen se têm debatido. Quando se retira a meditação deste balizamento ético… isto é, podemos estar plenamente atentos (mindful) quando damos um tiro de pistola, mas não é este o tipo de mindfulness que o Buda ensinou nem tão pouco o mindfulness que propomos na tradição zen”, esclarece Subhana Barzaghi.
Encontrar terreno comum entre teorias sobre meditação
Qual é, então, a diferença entre a disciplina secular do mindfulness moderno e a antiga prática religiosa de meditação?
“O termo mindfulness não está claramente definido nos dias de hoje. O que difere da definição original de mindfulness (…) é a questão sobre a aceitação que não está aqui presente”, refere Sedlmeier.
“Seja-se budista ou hindu, alguma preocupação ética estará sempre presente, são normas de vida. Trata-se, basicamente, de uma forma de viver num contexto espiritual associado.
“A parte ética é uma questão fundamental, a qual tem sido abordada em literatura variada, particularmente pelos estudiosos do budismo. Estes levantam a questão sobre a legitimidade de se usar o conceito de mindfulness sem se ter presente os seus aspetos éticos”, diz Peter Sedlmeier.
Antigo ou moderno, religioso ou secular, os neurocientistas declaram haver evidências importantes que mostram que a meditação – em termos gerais – é uma prática com resultados efetivos.
“Ainda não temos uma boa teoria sobre meditação. Mas para se chegar a esse ponto, seria bom falarmos uns com os outros”, diz Sedlmeier.
“Se os meditadores experimentados falarem entre si de uma forma sistemática (…) e apresentarem algum tipo de convergência, as possibilidades são de que encontraremos algumas especificidades como parte de uma boa teoria de meditação”, finaliza Peter Sedlmeier.
Tradução de Raul C. Gonçalves

2 pensamentos sobre “O que é que a neurociência pode aprender com a meditação budista?

    1. Olá Elisabete
      Há bastante literatura sobre este assunto em inglês e profissionais já em Portugal a trabalharem na área da pesquisa e investigação.
      É nosso objetivo a criação de um guia de recursos que de alguma forma facilite aos nossos leitores esta informação.
      Ethel

      Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s